Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Como treinar o feeling para a análise de crédito: saiba mais!

Você já deve ter ouvido a expressão “ele(a) tem tino para os negócios” para se referir a alguém, não é mesmo? O tino está relacionado ao feeling, àquela visão e intuição que nos ajuda a tomar decisões, principalmente no âmbito profissional. Agora, você já pensou em como treinar o feeling para a análise de crédito

Embora a decisão de conceder crédito seja tomada com base na avaliação dos dados do consumidor (e é assim que precisa ser feita), este pressentimento também tende a contribuir. E é sobre isso que vamos conversar no post de hoje: o feeling e a análise. 

Continue a leitura para saber mais! 

Primeiro, o que é feeling?

Antes de mais nada, é importante pensarmos o conceito de feeling sobre uma perspectiva administrativa, empresarial ou profissional, como falamos acima. Se usarmos seu significado literal, teremos a tradução de sentimento. 

A questão é: como ampliar e transferir esse sentimento para os negócios, especificamente para analisar crédito? É a partir daqui que começamos a aprofundar a definição da palavra. 

O feeling, portanto, surge como pressentimento. Pressentimentos estes que são criados através das nossas experiências anteriores. Conforme experienciamos, criamos tato e assim ganhamos um recurso a mais para deliberar em momentos importantes, como é o caso de uma análise de crédito

Como treinar o feeling para a análise de crédito: é possível?

Nós acabamos de dizer que o feeling pode ser considerado um quesito a mais para complementar suas análises. Isso não quer dizer que você deva se basear única e exclusivamente no que manda a sua intuição. 

Uma concessão de crédito é um processo que envolve risco, logo, é imprescindível se pautar em dados consistentes. 

Então, se o seu cliente for uma pessoa jurídica, você precisa saber, por exemplo, como ele se comporta no mercado, como está o seu score comparado ao score de outras empresas de mesmo segmento, se ela possui filiais, a cidade e o estado dessas filiais, se apresenta dívidas com outras empresas, entre outros fatores. 

O mesmo vale para pessoas físicas. Seja para conceder crédito, quando o cliente é novo, ou para aumentar o limite de crédito de algum consumidor mais antigo. 

É necessário entender o potencial de compra de cada um, a capacidade de pagamento, a pontualidade dos pagamentos, se há dívidas ativas e afins. Quando houver registro de inadimplência, é válido tentar entender também os motivos que o levou a não pagar pelo que devia. 

As respostas de todos esses pontos automaticamente despertarão sentimentos que irão impactar positiva ou negativamente na sua decisão. E é nesse sentido que você tem de treinar o seu feeling, para que ele influencie de maneira assertiva e não somente como um achismo. Afinal de contas, estamos falando sobre liberar crédito e risco de inadimplência

Conte com a ajuda de quem entende do assunto! 

Ainda que você tenha um ótimo feeling para os negócios e que o índice de inadimplência na sua empresa seja controlado, é importante ter cautela, especialmente no momento da análise. 

Por isso, conte com a ajuda de quem entende do assunto. Na SCC Check, inclusive, você tem à disposição planos com consultas variadas para potencializar os resultados das suas avaliações. Que tal conversar com a nossa equipe de especialistas? 

E para continuar acompanhando materiais como esse, basta nos seguir nas redes sociais e ficar de olho em nosso blog! 

Ficou com alguma dúvida? Comente aqui embaixo que responderemos em seguida!

Posts relacionados

Dica de adicional: Serasa Score Empresas

Pensando em potencializar ainda mais suas análises de crédito, o que antes era conhecido por classificação de risco de crédito, agora é chamado de Serasa Score Empresas. Baseado no maior banco de dados da América Latina — Serasa Experian — o adicional Serasa Score Empresas faz um cruzamento de informações para trazer as respostas que […]

Análise de Crédito

2 min