Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Educação financeira: 4 dicas para separar o dinheiro da empresa das finanças pessoais

Por falta de educação financeira, muitos empresários acabam perdendo o controle do seu negócio ao cometer um erro básico: misturar as finanças pessoais com as contas da empresa.

As grandes redes costumam ter uma gestão financeira mais estruturada e contam com gerentes e diretores financeiros para controlar cada aspecto do fluxo de caixa. O mesmo não acontece com a maioria dos empresários de menor porte. Segundo dados da Serasa Experian, 45% dos microempreendedores sentem dificuldades em controlar a saúde financeira dos negócios. Nesse tipo de empresa é comum o proprietário acumular várias funções administrativas, como por exemplo, da negociação com fornecedores até o fechamento diário do caixa. Muitas vezes, inclusive, o gerente da loja é o próprio dono.

E já que ele administra a empresa praticamente sozinho e tem a rotina misturada, não vê mal nenhum em pagar uma conta de casa com o dinheiro da empresa ou então fazer retiradas de lucro rotineiras para cobrir despesas pessoais.

Ao fazer esse tipo de movimentação com frequência, vai chegar um momento em que o empresário acabará se perdendo e prejudicando os resultados do negócio.   

Portanto, se isso está acontecendo no seu negócio, chegou a hora de dar um basta nessa prática!  Neste conteúdo de hoje, vamos dar algumas dicas para que você não recorrerá mais ao caixa da loja para resolver problemas financeiros pessoais. Acompanhe!  

1) Organize o controle do caixa

Para manter as finanças da empresa em ordem é essencial fazer o fechamento de caixa diariamente ao final do expediente, registrando todas as entradas e saídas do dia.

No dia a dia de um pequeno lojista, não é raro que as contas de condomínio, almoços e viagens particulares se misturem com boletos de fornecedores e salários dos funcionários. O problema é que isso nunca acaba bem. A medida em que as contas forem se acumulando, a confusão só tende a aumentar.

Outra medida importante para separar o dinheiro da loja das finanças pessoais é fazer o controle do caixa em um ambiente diferente do usado para organizar as próprias despesas. Trabalhe com duas planilhas separadas ou, se você usa um software de controle financeiro, crie um perfil para a loja e outro para as finanças pessoais.

Assim você consegue perceber com mais clareza qual o lucro real do seu negócio por mês e quanto você gasta com despesas pessoais.

Muitos empresários acabam nem percebendo, mas utilizam todo o faturamento da empresa para contas pessoais e quando chega no momento de pagar fornecedores, despesas da loja ou fazer novos investimentos o caixa está zerado.

2) Estipule um pró labore

Muitos empresários, principalmente no início do negócio, cometem o erro de não prever um salário fixo para si. É o que chamamos de pró-labore.

O pró-labore é o valor estipulado como pagamento mensal para o dono da empresa. Não é a mesma coisa que distribuição de lucros e também não é exatamente um salário, já que todos os benefícios trabalhistas (13o salário, férias, FGTS etc.) são opcionais neste caso. Estipular um pró-labore é a melhor forma de evitar problemas na gestão do caixa. Afinal, você precisa ter um rendimento mensal e sua empresa precisa de segurança financeira.

Para calcular o valor do seu pró-labore faça uma média considerando dois fatores:

  1. O valor que você precisa para se manter
  2. O valor pago pelo mercado para quem exerce as mesmas funções

Ao fazer este cálculo, é importante lembrar que sobre o pró-labore incidem impostos específicos, dependendo do regime tributário da sua empresa. Além disso, também é preciso reter Imposto de Renda na fonte com base na tabela progressiva, cuja alíquota máxima é de 27,5%.

Portanto, o melhor a fazer é conversar com o seu contador antes de definir um valor para o seu pró-labore.

3) Mantenha duas contas separadas

Um dos principais erros dos empresários é usar uma única conta bancária para movimentar seu próprio dinheiro juntamente com o da empresa.

Legalmente, não há nada que impeça você de fazer isso. Você pode controlar todo o fluxo financeiro do negócio dentro de uma conta de pessoa física, mas essa realmente não é a melhor forma de fazer isso.  

Ao manter contas correntes separadas, uma para você e outra para a sua empresa, é possível controlar melhor os lançamentos nos extratos, os pagamentos recebidos e os gastos realizados.

Portanto, converse com o gerente do seu banco e veja a possibilidade de abrir uma conta empresarial. Além de organizar melhor suas finanças, você terá acesso a alguns produtos que os bancos disponibilizam apenas para empresas, como linhas de crédito e serviços de cobrança.

Mas atenção: De nada adianta ter contas separadas se você continuar a pagar suas contas pessoais com o cheque ou cartão da empresa. Mantenha a disciplina e evite a todo custo misturar as coisas.

Outra vantagem de ter contas diferentes é de natureza fiscal. Fica muito mais fácil comprovar o seu faturamento, o que torna mais simples fazer a declaração de Imposto de Renda.

4) Fique atento

Muito importante também estar atento à pequenos detalhes que causam grandes impactos no dia a dia, como por exemplo as taxas de juros pagas. Importante verificar se realmente são necessárias ou se podem ser substituídas por outras menores, como por exemplo um banco digital ou outras formas de recebimento. O crediário por exemplo, é uma opção alternativa ao cartão de crédito e está voltando com tudo, devido as altas taxas de juros dos bancos. Podemos citar como algumas das vantagens do crediário:

·        Prazos maiores para parcelamento,

·        Taxas de juros menores,

·        Maior possibilidade de negociação,

·        Aumento nas vendas,

·        Fidelização de clientes,

·        Outras formas de recebimento (diferencial comercial),

·        Segurança no recebimento.

Para ter um crediário bem sucedido é indispensável investir em uma boa ferramenta de análise de crédito. Com isso você se protege da inadimplência, consegue identificar os clientes que mais trazem lucro para a sua empresa, potencializa seus negócios e ainda, sem perder a segurança no recebimento.

E então, você ainda está cometendo este erro de misturar suas finanças pessoais com as finanças da empresa? Tome agora mesmo uma atitude para prosperar sempre mais! E já sabe: qualquer dúvida que tiver, pode contar sempre conosco.

Posts relacionados

Cross Selling e Upselling: saiba como melhorar suas vendas

Desenvolver um modelo de negócio com estratégias de vendas assertivas é tudo que um empreendedor deseja. Para isso, é preciso estruturar o planejamento financeiro da empresa, buscar maneiras de se diferenciar dos concorrentes, analisar o mercado e investir na captação e fidelização de clientes. Nesse contexto, apresentaremos duas estratégias para potencializar suas ações: Cross selling e […]

Destaques

5 min

4 respostas para “Educação financeira: 4 dicas para separar o dinheiro da empresa das finanças pessoais”

  1. alef disse:

    muito bom, realmente eu estava precisando ler isso! obrigado

  2. Lindamir Correa disse:

    Muito interessante a matéria, mas o que fazer contabilmente, quando o empresário já fez essa mistura na conta bancária, embora tenha sido alertado antecipadamente?

    • Lindamir, Contabilmente contas pessoais geralmente não são registradas com a nomenclatura correta (ex: uma conta de energia da residência do empresário tem o lançamento de saque e posteriormente é gerado caixa para empresa). Entendo que essa é uma situação comum no dia a dia do empresário e mudar isso da noite para o dia é bem difícil. O que podemos sugerir é que mesmo as contas estando todas juntas, comece a mudar isso aos poucos pois ao misturar essas contas, a contabilidade da empresa fica com furos e deixa de revelar a situação patrimonial da empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio