Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Saiba como implantar a análise de crédito em sua empresa!

Se você acompanha nosso blog ou já leu algum de nossos conteúdos, sabe que a análise de crédito é uma temática recorrente por aqui. E não é para menos. Esse processo tem papel fundamental para ajudar a saúde financeira das empresas. E a gente te mostra o porquê. 

Para começar, em 2018, o Brasil atingiu a marca de 2.064.430 MEIs formalizados, um aumento de 19,1% em comparação com 2017. Com isso, economistas da Serasa Experian alegaram que o crescimento do “empreendedorismo por necessidade” se deu pela fraca recuperação da economia e o reflexo negativo na construção de vagas formais de trabalho.

“A grande representatividade de MEIs e os segmentos que lideraram a abertura mostram que tem muitas pessoas investindo em atividades com produtos e serviços de maior aceitação e consumo no dia a dia, o que demonstra mais a necessidade do que oportunidade”, disse em comunicado a diretora de micro, pequenas e médias empresas da Serasa, Fernanda Monnerat.

De lá para cá, esses números continuaram a subir. Atualmente, o país soma mais de 9 milhões de microempreendedores individuais. Em vista do crescimento disparado de novos negócios, há também o aumento no número das tentativas de fraudes.

Dois anos atrás, Kroll, uma empresa de investigação americana, divulgou informações sobre o assunto, que preocupam ainda hoje. De acordo com a publicação feita na época, 74% das organizações teve problemas com fraude em um período de 12 meses.

É por isso que a tecnologia, nesse momento, tem participação ainda mais importante. É através dela que podemos descobrir e atuar sobre essas falcatruas.

E foi pensando principalmente em você, empreendedor, que preparamos este artigo, para te auxiliar a implantar a análise de crédito em seu negócio e combater esse tipo de situação!

Primeiro, o que é a Análise de Crédito?

Trata-se de um processo organizado para analisar dados de uma empresa ou pessoa física. Tal procedimento é realizado com o objetivo de identificar os clientes que futuramente poderão não honrar com suas obrigações, acarretando uma condição de risco de caixa à organização.

O intuito é investigar o histórico dos clientes, sua situação fiscal e os riscos de não recebimento. A avaliação cruza dados do cadastro da loja com informações dos órgãos de proteção ao crédito para indicar, com alto grau de precisão, os limites mais seguros para conceder crédito a cada cliente.

Através de uma consulta de crédito mais completa, o lojista se torna capaz de definir o perfil de risco do cliente para cada venda realizada a prazo.

Você deve estar pensando que é algo difícil de fazer, mas, felizmente, existem ferramentas práticas para te auxiliar nesse processo. O Score, por exemplo, é um método utilizado para avaliar a qualidade de crédito de clientes para pessoas físicas. 

Já para pessoas jurídicas, há a classificação de risco, feita por meio da ponderação de vários fatores – idade, profissão, renda, atividade profissional, patrimônio, tipo de residência, etc.

Essas alternativas facilitam a compreensão e exploração do risco do cliente e também cria estimativas precisas das probabilidades de créditos a serem pagos, definindo um critério que visa a minimização das perdas.


Confira o passo a passo para implementá-la!

1. Faça um levantamento de dados e construa uma política de crédito

Não tem um “Manual da boa Política de Crédito” que pode ser seguido à risca, como uma receita de bolo, por todas as empresas. O que existe é um conhecimento comum de que uma boa política é construída sobre um levantamento completo de dados.

Imagine que ela é como a construção de uma casa. Sem uma fundação adequada, desenhada por arquitetos qualificados, o projeto não vai ficar de pé.

Nesse contexto, um bom levantamento de dados é o que dará condições para que a política de crédito seja concebida e estabelecida em sua empresa.

2. Utilize os 5C’s do crédito

Podemos entender a política de crédito para clientes como uma espécie de investimento feito por uma empresa. Afinal, a companhia pega os recursos utilizados na produção do seu produto e os investe no mercado na esperança de atrair compradores que, em outro caso, não estariam dispostos a adquirir esse produto.

Como todo investimento, ela reúne um pouco de risco, claro. A empresa está apostando seu produto no mercado para facilitar a aquisição de novos clientes e colaborar com seu crescimento.

Uma das melhores regras para ajudar a avaliar o risco de um cliente e servir como base para a sua política de crédito é a técnica dos cinco C’s, que já explicamos brevemente em um conteúdo anterior (para saber mais, leia: Consulta de crédito ou análise: qual você faz?). 

Confira quais são:

  • Caráter: avalia a intenção da empresa de cumprir ou não com o compromisso firmado com a sua companhia;
  • Capacidade: refere-se à condição do cliente de produzir o dinheiro necessário para cumprir o compromisso;
  • Capital: diz respeito a atual saúde financeira do cliente;
  • Condições: envolve a situação macroeconômica do país e suas variáveis, que podem afetar a empresa;
  • Colateral: verifica o nível de engajamento do cliente em outras dívidas.

3. Monte um manual que sirva de apoio

O próximo passo para montar uma boa política de crédito é colocá-la no papel. Assim, ela servirá de guia para todos os funcionários da sua corporação, mesmo aqueles de filiais distantes ou que não participaram do seu projeto de montagem.

Esse “manual” vai assegurar que a política será bem aplicada em todos os negócios que a sua empresa fizer, garantindo uma postura uniforme e previsível nos resultados que serão obtidos.

4. Implemente sua política de crédito

Por meio de todos os dados levantados na construção do filtro de clientes — formado pela regra dos cinco C’s — e com todo o material de apoio necessário para esse projeto, passe a implementar a política de crédito por algum período em sua empresa.

Deixe-a operando por tempo suficiente para coletar informações de aceitação da proposta, funcionamento e taxa de inadimplência registrada. Esses aspectos serão essenciais para a nossa próxima dica.

5. Analise seus resultados e os ajuste 

Como dissemos acima, a base do sucesso de uma boa política de crédito está na quantidade e qualidade das informações disponíveis para construí-la. Quanto mais dados, melhor ela será.

Portanto, é ingenuidade acreditar que esse trabalho é feito apenas uma vez e nunca revisado. É preciso revisá-lo periodicamente para que problemas sejam identificados e consertados.

Dessa forma, chegamos à conclusão de como montar uma boa política de crédito para o seu negócio: defina cenários e projeções de ticket médio, levante dados, construa filtros baseados nas suas informações, garanta a execução uniforme da sua política e analise os resultados, corrigindo o que for necessário. 

E então, o que achou desse artigo? Para conferir outras postagens como essa, é só continuar acompanhando nosso blog semanalmente.

Aproveite para deixar um comentário. Compartilhe suas ideias e dúvidas com a gente, será um prazer te responder!

Posts relacionados

Clientes inativos: criando oportunidades de recuperá-los

É comum que as empresas foquem os seus esforços de vendas na captação de novos clientes. Com isso, os clientes inativos acabam sendo esquecidos sem uma tentativa de recuperação dessa parte da carteira. Ainda há certa mentalidade que aponta que é mais fácil esquecer desses clientes e começar a captar novos. No entanto, recuperar os […]

Destaques

4 min

2 respostas para “Saiba como implantar a análise de crédito em sua empresa!”

  1. Diogo disse:

    Parabéns pelo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio